Ronaldo abre as portas de sua casa e diz que quer mudar de vida

Compartilhe esse conteúdo

Violência acaba com a onda de Ronaldo

Compartilhe esse conteúdo

Permanece sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios (Dehom) a morte de Ronaldo Cordeiro de Morais, de 18 anos. O jovem que ficou famoso na internet depois de popularizar o bordão “Que onda é essa?” foi executado a tiros no sábado, na frente da casa onde morava, no bairro das Quintas.
 
De acordo com os agentes da Dehom, a equipe de plantão da Especializada foi até o local de crime colher as primeiras investigações e, até a tarde de ontem, ainda ia definido para qual delegado seria distribuído o caso. 
 
 
Ronaldo foi sepultado na manhã de ontem, no Cemitério Bom Pastor II. O corpo foi enterrado na mesma cova em que o seu irmão do meio, Rogério Cordeiro de Morais, morto atropelado em 2010 pela vítima de um assalto que ele mesmo cometeu.
 
Segundo os funcionários do cemitério, não havia tanta gente no sepultamento, contudo todos os que foram acompanhar a cerimônia, que foi rápida, estavam bastantes comovidos.
 
Seu Samuel, pai do jovem, falou por telefone com o NOVO, mas não conseguiu conversar muito. Nas poucas palavras que disse, o jardineiro lembrou que o filho mais novo seria homenageado por uma banda, que havia composto uma música utilizando a expressão pela qual Ronaldo ficou conhecido. “Ia ser no mesmo dia”.
 
 
Após a notícia do homicídio, começou a circular na internet um vídeo em que Ronaldo aparecia com o grupo musical em um estúdio, num momento que parece ser um ensaio ou uma gravação do hit (acesse novojornal.jor.br para assistir ao vídeo). No refrão, o jovem dizia o seu bordão e dava a risada que também se popularizou junto com a frase “Que onda é essa?”.
 
Ronaldo Morais foi assassinado a tiros em frente da própria casa no bairro das Quintas, zona Leste de Natal. O jovem estava acompanhado da companheira e da filha, de apenas sete meses, quando um homem, ainda não identificado, atirou diversas vezes contra ele.
 
Segundo informou a polícia, o autor dos disparos abordou os três e ordenou que Ronaldo se ajoelhasse antes de atirar. Familiares de Ronaldo ainda conseguiram levá-lo ao Hospital Doutor José Pedro Bezerra (Santa Catarina), mas o rapaz já estava morto.
 
Conhecido pelo bordão “Que onda é essa?”, o garoto de apenas de 18 anos ganhou popularidade depois de virar personagem de um programa de televisão, o Patrulha Policial, da TV Ponta Negra.
Na reportagem, Ronaldo aparece tratando como brincadeira o fato de estar preso. A primeira postagem do vídeo no Youtube já registra mais de 200 mil visualizações, o que impulsionou a popularidade do jovem infrator.
 
As palavras desconexas de Ronaldo foram replicadas por todo o Brasil. Ronaldo foi detido em agosto do ano passado após ter furtado um desodorante de um grande supermercado da capital potiguar.
 
Nos últimos tempos, o jovem estava vendendo lanches, como ginga com tapioca, nas praias urbanas de Natal.
 
VEJA VÍDEO EM QUE RONALDO CONTA SEUS PLANOS PARA O FUTURO AO REPÓRTER NORTON RAFAEL: 
 
 
O NOVO contou a história de Ronaldo da edição do dia 17 de janeiro passado. Na ocasião, ele afirmou que havia decidido se afastar da criminalidade e justificou o roubo pelo qual foi preso, quando levou um desodorante de um supermercado atacadista, com a necessidade que sua família passa.
 
O rapaz vinha, segundo os parentes, obtendo bons resultados nas vendas que fazia na praia, por conta de sua popularidade na internet. No entanto não houve tempo de se firmar no novo ofício.
 
O crime da morte de Ronaldo permanece sem elucidação da Especializada de Homicídios. Até ontem, a Polícia Civil ainda não tinha, ao menos oficialmente, informações acerca do suspeito do assassinato.
 
Depois de sábado, Ronaldo Cordeiro perdeu a vida para a violência e deixou de ser o garoto sucesso da internet para entrar para as estatísticas.
 
Ele se enquadra no perfil de pessoas que mais morrem vítimas de homicídio no Rio Grande do Norte: jovem e morador de periferia, assassinado com traços de execução, sem chance de defesa.
 
A onda da violência
 
Por Norton Rafael
 
Não tive qualquer contato com o Ronaldo depois daquele dia 13 de janeiro, quando estive em sua casa. A única pessoa com quem conversei rapidamente após aquela quarta-feira foi com o seu pai, Samuel, que me ligou para falar com alegria que “o Dinho tirou os dentes”, em referência à extração dentária feita por Ronaldo no último dia 14 para instalação de uma prótese.
 
Depois disso, só voltei a ter Ronaldo em pauta no último sábado, quando soube que ele havia sido brutalmente assassinado em frente de sua casa, no bairro das Quintas. A notícia da morte de Dinho, como era carinhosamente chamado por seus familiares, colocou uma pá de cal no meu fim de semana.
 
Não houve um minuto desde então que não pensasse naquele jovem rapaz que, dias atrás, me contava todos os seus planos para o futuro longe do crime e que, sentado em minha frente, dizia que nunca mais faria a sua mãe sofrer.
 
Dona Joana, a mãe de Ronaldo, certamente era a pessoa mais amada por aquele garoto de apenas 18 anos. Era ela quem procurava Ronaldo quando ele saia de casa à noite para usar drogas, cometer furtos ou para fugir de inimigos. Era no ombro de Dona Joana onde Ronaldo deitava o rosto para esconder as lágrimas que teimavam em escorrer dos seus olhos.
 
Em nossa conversa, Ronaldo insistia em dizer que queria dar um futuro melhor para sua mãe. Ver a sua filha de apenas sete meses, a Ariane, crescer saudável e poder dar para aquela pequena uma vida diferente da que ele teve. Construir uma relação harmoniosa com a sua esposa, Francimeire. E, mais importante, abandonar de uma vez por todas o mundo do crime.
 
Ronaldo nasceu e se criou no bairro das Quintas, na zona Leste de Natal. Morou a vida toda espremido em uma pequena casa erguida com muito sufoco entre o mangue e a linha férrea. Sobrevivia com muito pouco, não tinha sequer um banheiro com as condições mínimas de higiene para fazer as suas necessidades. 
 
Ele só pôde estudar até a quarta série, afinal, não havia muita diferença entre o que via na escola e o que vivia nas ruas. Logo deixou de ser aluno para se tornar jovem infrator.
 
Passou por casas de detenção. Pelo sistema penitenciário. Mas não houve sucesso em sua ressocialização.
 
O crime o cercava por todos os lados. Ronaldo entrou num beco sem saída onde nem a força de vontade fez com que ele conseguisse fugir do seu destino.
 
Ronaldo ganhou popularidade após ser personagem de uma reportagem do programa Patrulha da Cidade, da TV Ponta Negra. Ao contrário da maioria dos aprisionados mostrados no programa policial, o seu lado excêntrico e bem humorado se sobressaiu a qualquer estigma de que “bandido bom é bandido morto”. 
 
Dinho esteve muito perto de conseguir ser reinserido na sociedade pelas mãos da sociedade civil. Foi abraçado por muitos, viu muitas mãos serem estendidas em sua direção, mas teve o mesmo fim que muitos jovens como ele têm.
 
Ronaldo Cordeiro de Morais, o Dinho, deixa uma filha, uma esposa, quatro irmãos, 10 sobrinhos, uma mãe e um pai. Talvez poucos chorem a sua morte. Alguns se revoltem. Mas, hoje, ele é apenas mais um pobre que virou estatística.

 

Corpo de Ronaldo "Que onda é essa" é enterrado em Natal

Compartilhe esse conteúdo

Sem discursos inflamados ou protestos, o corpo de Ronaldo Cordeiro de Morais, 18, assassinado no último sábado, dia 23, foi sepultado numa cova improvisada, entre o espaço de outros dois túmulos, no cemitério do Bom Pastor, na Zona Oeste de Natal.

O velório foi rápido, em razão dos ferimentos sofridos pelo jovem, que foi executado com vários tiros no rosto. O túmulo não tem nome e apenas uma pequena cruz de madeira demarca o local. O adorno foi o único luxo pelo qual os pais puderam arcar para com a memória do filho.

Conhecido pelo bordão “Que onda é essa?”, o garoto de apenas de 18 anos ganhou popularidade depois de virar personagem de um programa de televisão, o Patrulha Policial, da TV Ponta Negra. Na reportagem, Ronaldo aparece tratando como brincadeira o fato de estar preso. A primeira postagem do vídeo no Youtube já registra mais de 200 mil visualizações, o que impulsionou a popularidade do jovem infrator. 

Nos dois meses, após a repercussão do vídeo, Ronaldo decidiu por se afastar da vida crimes. Ele estava vendendo lanches, como ginga com tapioca, ao longo das praias urbanas de Natal. 

O jovem foi morto na frente da própria residência, numa comunidade carente do bairro das Quintas, na Zona Oeste, quando morto a tiros na frente da namorada e da filha, uma criança de apenas sete meses. O assassino de Ronaldo ordeneou que o jovem ficasse de joelhos e, sem qualquer remorso, disparou diversas vezes. 

Familiares ainda levaram o corpo do rapaz ao Hospital Dr. José Pedro Bezerra (Santa Catarina), mas ele já estava morto. Somente na manhã desta segunda-feira (25), os pais de Ronaldo conseguiram resgatá-lo e, enfim, realizar a cermimônia fúnebre. 

Morre Ronaldo Cordeiro de Morais, do bordão "que onda é essa?"

Compartilhe esse conteúdo

Morreu na noite do último sábado (23) Ronaldo Cordeiro de Morais, 18, criador do bordão "que onda é essa?". Ele foi assassinado a tiros em frente da própria casa no bairro das Quintas, zona Leste de Natal. O jovem estava acompanhado da namorada e da filha, de apenas sete meses, quando um homem, ainda não identificado, atirou diversas vezes. 

Conhecido pelo bordão “Que onda é essa?”, o garoto de apenas de 18 anos ganhou popularidade depois de virar personagem de um programa de televisão, o Patrulha Policial, da TV Ponta Negra. Na reportagem, Ronaldo aparece tratando como brincadeira o fato de estar preso. A primeira postagem do vídeo no Youtube já registra mais de 200 mil visualizações, o que impulsionou a popularidade do jovem infrator. As palavras desconexas de Ronaldo foram replicadas por todo o Brasil.

Nos último tempos, Ronaldo estava vendendo lanches, como ginga com tapioca, ao longo das praias urbanas de Natal.

Segundo informações obtidas pelo NOVO, Ronaldo Cordeiro de Morais iria para um show musical; e seria homenageado durante a apresentação. No entanto, ao sair de casa, ele foi abordado por um homem munido com uma arma, que ainda ordenou que o jovem se ajoelhasse. Sem qualquer remorso, o autor do crime atirou contra Ronaldo Cordeiro.

Familiares de Ronaldo ainda conseguiram levá-lo ao Hospital Dr. José Pedro Bezerra (Santa Catarina), mas o rapaz já estava morto.

O corpo de Ronaldo Cordeiro de Morais foi enterrado na manhã desta segunda-feira no cemitério público do Bom Pastor, no bairro do mesmo nome, na Zona Oeste de Natal.

LEIA O PERFIL DE RONALDO FEITO PELO NOVO

Que onda é essa, Ronaldo?

Compartilhe esse conteúdo

A bandeira do Brasil pintada no muro que dá sustentação à linha férrea é um dos únicos sinais da presença do Estado no prolongamento da Rua Potengi, no bairro das Quintas, zona Leste de Natal. Ali, encurralado entre o muro de mais de três metros de altura, o mangue do rio Potengi e a falta de oportunidades, Ronaldo Cordeiro de Morais busca um norte para recomeçar sua vida.

Conhecido pelo bordão “Que onda é essa?”, o garoto de apenas de 18 anos ganhou popularidade depois de virar personagem de um programa de televisão, o Patrulha Policial, da TV Ponta Negra. Na reportagem, Ronaldo aparece tratando como brincadeira o fato de estar preso. A primeira postagem do vídeo no Youtube já registra mais de 200 mil visualizações, o que impulsionou a popularidade do jovem infrator. As palavras desconexas de Ronaldo foram replicadas por todo o Brasil.

Ronaldo foi apreendido em agosto do ano passado após ter furtado um desodorante de um grande supermercado da capital potiguar. Ele se recusa a recordar os dias em que esteve atrás das grades e diz estar arrependido do crime que cometeu.

Ronaldo argumenta, em palavras curtas, que o furto ao supermercado varejista teria sido motivado em função da necessidade ao qual passa sua família, em especial a pequena Ariane, de apenas sete meses, fruto da relação entre o ex-detento e a jovem Francimeire de Morais. “Roubei porque precisava mesmo”, justifica Ronaldo.

Mas a vida criminal de Ronaldo não começou naquele fatídico assalto. Pelo contrário. Filho de uma empregada doméstica e de um auxiliar de serviços gerais, o jovem infrator passou a cometer pequenos furtos e a traficar drogas ainda nos primeiros anos de sua adolescência. Muito pela falta de perspectiva que a vida lhe ensaiava.

Após largar os livros e ter o primeiro contato com as drogas ilícitas, Ronaldo nunca voltou a ser o mesmo, relembra sua mãe, a doméstica Joana D’arc Cordeiro da Silva. Ela conta que Dinho, como é conhecido pelos familiares, deixou de estudar ainda na quarta série – atual quinto ano – do ensino fundamental e passou a “andar mal acompanhado e a se comportar diferente em casa”.

Mãe de cinco filhos, Joana ainda conta que quando soube do envolvimento do caçula com o meio criminal entrou em desespero. “Ele era apenas um menino de 12 ou 13 anos. Me falaram que Dinho tava roubando as pessoas lá em cima [no Bairro Nordeste] e eu não acreditei. A ficha só caiu quando ele chegou drogado em casa e com coisas que não eram dele”, disse Joana.

A primeira medida tomada pela mãe indefesa foi tentar conversar com o filho e argumentar que aquele caminho era um beco sem saída. Mas a rebeldia juvenil não deu ouvidos aos conselhos maternos.

Da lama ao caos

O pai de Ronaldo, Samuel Pereira de Morais, também recorda que foi um dos últimos a tomar conhecimento da vida criminal do filho. Se em casa o jovem era carinhoso com os familiares, nas ruas de Natal ele praticava crimes, sempre acompanhado com colegas que moravam em sua rua, e era perverso com suas vítimas. “O Dinho nunca foi uma pessoa ruim. O problema eram as companhias. Ele assaltava em uma Traxx, junto com um rapaz mais velho, e usava o dinheiro que conseguia para comprar drogas”, disse Samuel.

Com os olhos marejados, Joana relembra as inúmeras vezes em que o filho fugia da morte. Então usuário de drogas e envolvido com o tráfico, Ronaldo frequentemente não conseguia juntar dinheiro para pagar os seus débitos com os traficantes e tinha que fugir de casa para escapar de ser assassinado.

Joana disse que perdeu as contas de quantas vezes teve que se meter mangue adentro em busca do filho, que fugia para se esconder e passava dias sem retornar para casa. “Só Deus sabe o que eu passei. Saia à noite, só eu e Deus, por dentro desse mangue atrás de Ronaldo. Vi coisas horríveis. Mas meu coração de mãe sabia que ele precisava de mim e eu nunca o abandonei”, contou entre lágrimas.

Todavia, a família Morais começa a enxergar uma luz no fim do túnel. Depois de “se tornar famoso”, Ronaldo Cordeiro começou a ser procurado por inúmeras pessoas que desejam ajudá-lo a deixar o vício e mudar de vida. “Todos os dias”, conta Samuel, “chega uma nova pessoa querendo nos ajudar. Já recebemos cestas básicas, ajudas financeiras. Ronaldo está fazendo tratamento dentário, trabalhando e removendo a tatuagem que carregava no peito”, relata.

A tatuagem que Samuel se refere, feita há cerca de dois anos por Ronaldo, trazia o número 157, artigo no Código Penal que descreve o crime de assalto à mão armada. O código ganhou popularidade principalmente entre os criminosos, para descrever com discrição a ação de assaltar alguém.

A imagem do Sagrado Coração de Maria substituiu o símbolo do crime que ele carregava no peito. “É uma homenagem para minha mãe”, disse Ronaldo Cordeiro. Para a família, vai além de uma homenagem. A troca é um sinal de que o ex-criminoso está mudando. Pelo menos, é isso que todos sonham que aconteça.

Túlio, o irmão presidiário

Ronaldo não é o único da família Cordeiro de Morais a ter uma ficha vasta junto à Justiça. O irmão mais velho, Túlio, cumpre pena em regime fechado no sistema penitenciário do estado. Túlio, assim como Ronaldo, também assaltava e roubava para alimentar o vício. Foi pego pela Polícia Militar em um dos furtos e agora está em reclusão.

Túlio chegou a ter sua liberdade considerada pela Justiça, entrou em regime semiaberto para cumprimento de sua pena, mas não voltou para a prisão para passar a noite atrás das grades.

De acordo com Samuel de Morais, o filho temia ser morto por inimigos ao retornar para a prisão. Preferiu fugir, mas acabou sendo recapturado pelos agentes de segurança.

Agora, Túlio cumpre cinco anos e quatro meses de pena em regime fechado. Além dos crimes praticados, ele responde juridicamente por ter estado foragido e não ter cumprido a sua pena no semiaberto.

A dor da família com a ausência de Túlio pode ser vista no olhar saudoso de sua mãe, Joana D’arc. Ela acredita que um dia terá a oportunidade de ver sentados em frente a sua casa, ali entre os milhares de insetos que voam sem rumo certo, todos os seus filhos e filhas, acompanhados de seus respectivos filhos e esposas e esposos, rindo e sem o medo que cerca o crime. “Tenho fé que a vida da minha família vai mudar e todos nós seremos muito felizes”.

Uma família em busca do recomeço

Ronaldo mora com a esposa e a filha nos fundos da casa dos pais, em um cômodo de menos de 20 metros quadrados. No puxadinho do casal, é possível encontrar apenas uma geladeira, um fogão, uma televisão de 14 polegadas, um guarda-roupa improvisado, uma cômoda, uma cama e um berço. Nada mais cabe ali.

Não há divisão estrutural entre os cômodos. É impossível saber se, ao entrar na casa, estamos na sala ou na cozinha. Uma cortina improvisada isola o quarto onde dormem a pequena Ariane e o casal.

A casa tem uma porta e uma janela. Dois bicos de luz incandescentes dão um tom amarelado ao ambiente gélido.

Havia chovido no dia em que a reportagem do NOVO esteve na casa de Ronaldo. O cheiro do mangue estava mais forte e as poças de lama se espalhavam pelo beco que nos leva da rua até o puxadinho.

Ronaldo dorme com a esposa e a filha a menos de 15 metros do manguezal. Entre a casa e o mangue estão o único banheiro da casa e um galinheiro. Não há muita diferença entre os dois ambientes.

O banheiro não tem porta, nem pia. Apenas um sanitário e um espelho. Não há privacidade. Também não há saneamento básico, nem escola de qualidade. Segurança, então, passou longe da Rua Potengi. Ali imperam outras leis bem distintas do que está escrito na Constituição Federal de 1988. É dente por dente e olho por olho. Estado ausente e mínimo das suas obrigações. “Mas a gente é feliz. Deus guarda coisa melhor para nós”, reflete Joana D’arc.

O velho rádio posicionado estrategicamente na entrada da casa, em uma prateleira improvisada no muro que sustenta a linha férrea, só sintoniza a frequência AM 900 da Rádio Nordeste, difusora evangélica. Deus é para aquela família mais que uma entidade acima do ser humano, é o único refugo daqueles pobres coitados natalenses. “Só Deus olha pela gente aqui”, garante Samuel de Morais.

A fé, diz Samuel, é o que garante o milagre da multiplicação da renda da família. Com 17 bocas para alimentar, sendo 11 de crianças, o orçamento total da casa era, até mês passado, inferior a mil reais.

Além do salário mínimo recebido por Joana, que trabalha como doméstica, a família Cordeiro de Morais recebe uma ajuda de R$ 70 do programa social Bolsa Família, do Governo Federal, e faz uma verba extra com o que lucra da venda de ginga com tapioca na praia.

Neste mês, a situação financeira deve melhorar. Seu Samuel conseguiu uma vaga de jardineiro junto à Secretaria de Obras Públicas e Infraestrutura de Natal e vai poder incrementar a renda com mais um salário mínimo.

Além disso, Ronaldo tem conseguido bons números vendendo ginga com tapioca aos domingos em Ponta Negra. “A mercadoria voa quando é Ronaldo quem ta vendendo”, conta Samuel se referindo ao sucesso que o filho faz na praia mais famosa de Natal.

Roubo do desodorante pode terminar em cadeia

Está marcada para o dia 24 de fevereiro a audiência que vai definir o futuro de Ronaldo. Ele responde criminalmente pelo furto de um desodorante cometido contra um grande supermercado varejista de Natal.

Caso seja incriminado, pode cumprir, de acordo com o artigo 155 do Código Penal brasileiro, que tipifica o crime por furto, entre um e quatro anos de prisão, além do pagamento de multa.

A família de Ronaldo só soube que o caso está tramitando na Justiça estadual durante a reportagem feita pelo NOVO. Os pais de Ronaldo, surpresos, temem que o filho seja culpado e tenha o mesmo destino do seu irmão mais velho, Túlio, que cumpre pena em regime fechado também por furto.

Eles torcem para que a Justiça se solidarize com a recuperação de Ronaldo e, pelo fato dele estar mostrando que quer mudar, o perdoe pelo furto de um desodorante. “Não é possível que não tenham pena do nosso filho”, comenta Samuel. “Ele está mudando. Quer mudar. Ir pra cadeia vai colocar Ronaldo no meio de muita gente ruim, isso não pode acontecer”, clama.