Mídia nacional malha nova camisa do América: 'bizarra'

Compartilhe esse conteúdo

 
O América lançou uma nova camisa, comemorativa aos 101 anos do clube. E ela tem causado polêmica entre os torcedores rubros.
 
O uniforme, azul com listras verticais nas cores branca e vermelha, claramente inspirado na roupa que o PSG veste, seria o terceiro uniforme de jogo da equipe. 
 
Todavia, depois de muita reclamação, a diretoria informou que trata-se apenas de uma camisa comemorativa direcionada ao torcedor. 
 
O preço? R$ 399. 
 
A relação preço x beleza ganhou as redes sociais e chamou atenção da mídia nacional.
 
O diário esportivo Lance! destacou em seu portal a seguinte manchete: “Homenagem ao PSG? América-RN lança camisa comemorativa ‘bizarra’”. 
 
Na fanpage do canal SporTV no Facebook, onde uma foto da camisa foi postada pedindo a opinião dos usuários da rede social, torcedores de vários clubes brasileiros criticaram o novo uniforme rubro.
 
“400?? Com 400 eu compro o time do América e quero o troco”, postou um torcedor.
 
“Não sabemos o que comentar sobre esse comentário >< (sic)”, respondeu a administração da página. 
 
Na página do América no Facebook a camisa também tem causado polêmica. Muitos torcedores pedem apoio ao clube, enquanto outros detonam o desenho da camisa. 

Empresário quer Wallyson no Vila Nova; ABC mantém proposta

Compartilhe esse conteúdo

O ABC ficou mais distante da contratação do atacante Wallyson após reunião evolvendo membros da cúpula alvinegra e um agente do jogador na manhã desta quinta-feira (29). Durante o encontro, o representante do atleta apresentou uma proposta do Vila Nova/GO e disse que Wallyson deve encaminhar a sua transferência para o clube goiano nos próximos dias.
 
A transferência para o Vila Nova é vista com bons olhos pelo empresário do jogador, o uruguaio Juan Figer, dono do passe de Wallyson até 2018. O atacante tem vínculo com o Deportivo Maldonado, do Uruguai, e atuou a atual temporada pelo Santa Cruz/PE, por empréstimo.
 
A intenção de Figer é que Wallyson atue em 2017 por um time de maior projeção. O uruguaio também acredita que o retorno do jogador ao ABC, clube que revelou o atacante, poderia significar a “antecipação do fim da sua carreira”, conforme explica o vice-presidente de futebol do ABC, Leonardo Arruda.
 
 “A negociação [com Wallyson] ficou mais difícil. O empresário dele, o Juan [Figer], não quer que ele venha para o ABC. Ele acredita que a volta para o ABC iria desvalorizar o passe de Wallyson, que ainda sonha em se transferir para o exterior”, disse.
 
O ABC, no entanto, mantém a proposta pelo jogador de 28 anos. O retorno de Wallyson é visto com bons olhos pelos potiguares, significando ganho técnico dentro de campo e midiático fora das quatro linhas. A proposta abecedista, segundo Leonardo Arruda, está “dentro da realidade do time e de acordo com a realidade do mercado”. 
 
Essa é a segunda vez que o ABC tenta contratar Wallyson em 2016. No início da temporada, Judas Tadeu, presidente do clube, chegou a fazer uma proposta oficial pelo jogador. Wallyson aprimorava a parte física no ABC quando foi sondado. Juan Figer não aceitou a negociação, usando como argumento que levaria o atacante para fora do país. Ele acabou sendo emprestado para o Santa Cruz, do Recife, para disputa do Campeonato Brasileiro da Série A. 
 
A passagem pelo tricolor pernambucano, no entanto, não foi nada perto do desejado. Em 32 jogos, o atacante marcou apenas dois gols e terminou o ano em baixa.

Diretoria do ABC se reúne com agente de Wallyson nesta quinta

Compartilhe esse conteúdo

O atacante Wallyson, de 28 anos, negocia o seu retorno ao ABC. Membros da diretoria do clube e o agente do jogador se reúnem na manhã desta quinta-feira, em Natal, para discutir a transferência. 
 
O presidente do ABC, Judas Tadeu, confirmou a negociação, tratada como prioridade pela cúpula abecedista. Segundo Tadeu, será colocada na mesa uma proposta salarial abaixo dos vencimentos recebidos pelo jogador nesta temporada, quando Wallyson defendeu o Santa Cruz. O clube pernambucano disputou a Série A do Campeonato Brasileiro, mas acabou rebaixado.
 
O principal argumento que será usado pelo ABC para convencer Wallyson de retornar ao seu antigo clube será o fator emocional. Em baixa na carreira após uma temporada apagada, o alvinegro abriria as portas para o retorno em grande estilo do seu principal ídolo recente. 
 
Judas Tadeu, no entanto, admitiu que a negociação não é simples. “Acredito que o martelo não será batido na reunião de hoje. Queremos apresentar o projeto do ABC para o agente dele e mostrar para ele que, no ABC, Wallyson poderá voltar a viver uma grande fase”, disse o mandatário abecedista.
 
Atualmente, Wallyson está sem clube. O jogador foi dispensado pelo Santa Cruz ao término do Campeonato Brasileiro e não deixou saudades. Em 32 jogos, o atacante marcou apenas dois gols.
 
Wallyson ganhou projeção nacional em 2007, após temporada brilhante pelo ABC. O jogador foi artilheiro do Campeonato Potiguar daquele ano, com 10 gols marcados, e uma das peças fundamentais do acesso alvinegro para a Série B de 2008, marcando 16 vezes durante a Série C. Ele deixou o clube em 2008 para defender o Atlético/PR.
 
Além do ABC, o Vila Nova também teria demonstrado interesse em contar com Wallyson para a próxima temporada.

Veja os gols da vitória do América no primeiro jogo-treino do ano

Compartilhe esse conteúdo

O América fez, nesta quarta-feira (21), a sua primeira apresentação na temporada.  O time comandado por Felipe Surian enfrentou o Expresso Jerimum, equipe formada por jogadores ligados ao Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado, e venceu por 2 a 1.
 
Os gols da partida foram marcados por Michel Cury e Dija Baiano, de pênalti, para o alvirrubro, enquanto Binha descontou para os visitantes.
 
A partida aconteceu no Centro de Treinamentos Abílio Medeiros, do América, em Parnamirim. A torcida americana pôde acompanhar o jogo-treino e um número significativo de torcedores esteve no local.
 
Veja os gols da partida:
 

Chapecoense: um sonho que jamais vai terminar

Compartilhe esse conteúdo

A Chapecoense é o segundo time do coração de todo brasileiro. E não apenas por ter unido gregos e troianos tupiniquins após a interrupção trágica de uma trajetória campeã. Mas sim por ter sido a mais perfeita impressão de um sonho em nosso mundo real. 
 
A Chape era aquele garoto nascido num quinhão distante que sonha em brilhar num grande clube, tendo como plateia algum famoso palco do futebol nacional e sendo primeira página dos periódicos.
 
Era um menino de 43 anos, morador de uma casa que vivia cheia e filho de uma família completamente apaixonada. 
 
O sonho da Chapecoense era impossível de não ser compartilhado por qualquer ser vivente amante ou, pelo menos, admirador do futebol. O Índio representa todos os times guerreiros que desafiam gigantes e provam que é possível vencê-los. Que não existe inimigo maior que um sonho. 
 
A lembrança que fica são as expressões nos rostos daqueles meninos, o brilho no olhar de quem, no dia seguinte, viverá o dia mais importante de suas vidas.
 
Assim fica mais fácil entender que, para aqueles que partiram, esse dia jamais foi triste. Como o menino que vai dormir ansioso – e feliz - pela final dos jogos da escola ou do bairro agendada para o dia seguinte, partiram eles em direção a um sonho que jamais acabará.  
 
Dormiram em paz, subindo, em direção ao lugar mais alto que já chegaram em suas vidas. E que assim seja para todo o sempre! 
 

Torcedor do Guarani faz tatuagem para eternizar goleada sobre o ABC

Compartilhe esse conteúdo

A virada histórica do Guarani sobre o ABC (o time de Campinas venceu o Alvinegro por 6 a 0 depois de perder por 4 a 0 no jogo de ida) na semifinal da Série C do Campeonato Brasileiro de 2016 é algo que vai ficar eternizado na história de ambos os times. Principalmente, claro, na do Bugre. 

Prova disso é que o perfil oficial do clube no Instagram publicou uma foto de um torcedor que tatuou o feito histórico. 

"O impossível é uma questão de opinião / Guarani 6x0 ABC / 23.10.2016" dis a inscrição cravada na perna. 

A frase foi citada pelo técnico Marcelo Chamusca após o feito inédito do Guarani e faz parte de uma canção chamada "Só os loucos sabem", da banda Charlie Brown Jr. 

Chamusca havia usada uma outra música, chamada "Nada é impossível", escrita por Chorão (ex-vocalista do Charlie Brown) e Pregador Luo, após a derrota em Natal.

"O impossível é apenas uma questão de opinião. Muitas pessoas não acreditavam, mas quem presenciou o dia a dia deste grupo sabia que era possível", comentou o treinador após seu time conquista a vaga na final da Terceirona. 

 

"O IMPOSSÍVEL É UMA QUESTÃO DE OPINIÃO!" @marcelochamusca_ @wfilho78

Uma foto publicada por Guarani Futebol Clube (@guaranifc_oficial) em