Cristiano Ronaldo é eleito melhor do mundo pela quarta vez

Compartilhe esse conteúdo

Cristiano Ronaldo venceu o troféu de melhor jogador de 2016, coroando um ano perfeito com a conquista da Liga dos Campeões, Eurocopa e Mundial de Clubes. O português, com seu quarto título individual, ainda se aproximou do recorde de Lionel Messi de cinco troféus e manda um recado: não vai descansar enquanto não desbancar o argentino. "As pessoas não são cegas", disse.
 
Mas a festa teve um gosto amargo, com toda a delegação do Barcelona boicotando o evento. O argentino Messi, o uruguaio Suárez e outros premiados anularam sua participação na festa, que foi do Real Madrid. Grande astro da equipe merengue, Cristiano Ronaldo superou Messi e o francês Griezmann (do Atlético de Madrid), outros dois finalistas ao grande prêmio da cerimônia.
 
Oficialmente, o time catalão usou o argumento de que precisava se preparar para a partida de quarta-feira contra o Athletic Bilbao, pela Copa do Rei. Mas foi uma atitude de protesto dos jogadores, liderados por Piqué, contra os dirigentes do clube, contra a arbitragem na Espanha e um suposto favorecimento ao Real que levou ao boicote, criando um mal-estar na entidade em Zurique para a Fifa, que queria usar o evento para marcar o fim das polêmicas. 
 
O comportamento do Barça foi duramente criticado. "É uma tremenda falta de respeito", disse Roberto Carlos, ex-jogador do Real. "Messi teria de entender que deveria estar aqui. O Real também tem jogo nesta semana. As obrigações profissionais são as mesmas", disse. Para o brasileiro, está "claríssimo que hoje o Real é o melhor do mundo". 
 
Com 31 anos, Cristiano Ronaldo já havia ganho o troféu em 2008, 2013 e 2014. Mas também chegou a abandonar Messi sozinho na premiação de 2011. Naquele momento, Mourinho era treinador do Real e também apoiou o boicote. E, ao ser eleito o melhor do mundo pela quarta vez, o português também superou o ex-atacante brasileiro Ronaldo, que faturou a honraria de maior jogador do planeta em 1996, 1997 e 2002.
 
Nesta segunda-feira, foi a vez de o português fazer a festa. "É uma grande satisfação. Tivemos uma temporada incrível", disse o astro. "Agradeço aos meus companheiros, minha família e dizer que 2016 foi o melhor ano da minha carreira. Existiam dúvidas. Mas as pessoas não são cegas. Depois do que eu ganhei no clube e na seleção, sabia que poderia ganhar esse título", insistiu. "Os prêmios falam por si só", disse, lamentando a ausência dos jogadores do Barcelona.
 
A ausência do Barça ainda criou um mal-estar quando a Fifa anunciou a seleção do mundo. Quatro dos jogadores eram do clube catalão: Messi, Iniesta, Piqué e Suárez. Iniesta enviou uma mensagem por vídeo, "se desculpando por não estar na gala por uma partida transcendental". Mas, no palco, o time incompleto chamava a atenção. A seleção ainda contou com Modric, Manuel Neuer, Sergio Ramos, Marcelo, Daniel Alves e Kroos. 
 
Levou ainda o prêmio de melhor treinador o italiano Claudio Ranieri, que conduziu o Leicester City ao título na Inglaterra. Ele bateu Fernando Santos, que conquistou a Eurocopa como Portugal, e Zinedine Zidane, do Real Madrid, atual campeão europeu de clubes. Entre as mulheres, a vencedora foi Silvia Neider, da Alemanha. 
 
RESGATE
 
A festa também foi amplamente usada pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, para mostrar ao mundo que alguns dos maiores jogadores estavam ao seu lado e tentar apagar os meses de crise na entidade. Foram pelo menos 20 grandes nomes do esporte convocados para a festa, para jogos amistosos e mesmo para distribuir autógrafos. 
 
Um deles foi o brasileiro Ronaldo, que usou a oportunidade para elogiar a Fifa, indicando que era "importante ver o comportamento da entidade, colocando os jogadores como protagonistas e não os escândalos de corrupção". Ronaldo era parte do Comitê Organizador da Copa de 2014, permeada de escândalos. 
 
Mas o grande trunfo de Infantino era Diego Maradona, que por anos acusou a Fifa de 
 
"mafiosa" e corrupta. Sua presença na entidade era vendida como a "prova" de que a página de escândalos tinha sido virada. "Queremos ajudar a fazer uma Fifa transparente, purista e limpa. É o que o mundo quer", declarou. "O futebol tão corrupto precisa acabar", defendeu, sentando na primeira fila da festa. Também coube ao argentino entregar o prêmio ao melhor treinador. 
 
Logo antes da eleição na Fifa, quando Michel Platini ainda era candidato ao comando da entidade, Maradona chegou a acusar o francês de "saber como roubar como Blatter". Agora, ele é o cabo eleitoral das propostas de Infantino, o ex-braço-direito de Platini. "Depois de tudo o que roubaram e de toda a corrupção, é bom ver caras novas", disse Maradona. "É incrível ver quantos craques estão aqui. O futebol voltou", completou Infantino.
 

Ingressos do jogo do Flamengo na Arena das Dunas variam entre R$ 40 e R$ 210

Compartilhe esse conteúdo

A Arena das Dunas divulgou nesta sexta-feira (20) os preços dos ingressos da partida entre Flamengo e Boavista, que acontecerá no dia 28 de janeiro no estádio potiguar. As informações foram divulgadas no site oficial da arena na manhã de hoje. O início das vendas, no entanto, não foi divulgado. A expectativa é de os ingressos comecem a ser comercializados na próxima segunda-feira, dia 23, para os sócio-torcedores do Rubro-Negro.
 
Os valores dos ingressos variam de R$ 40 (meia), no setor sul, até 210 (int.) no setor hospitalidade, com direito Open Bar e Dj.  O Flamengo fará sua estreia no Campeonato Carioca em Natal, no dia 28 de janeiro, diante do Bovavista, time treinado por Joel Santana. 
 
Confira os valores: 
 
1º anel Leste
R$ 120 (int.) / R$ 60 (meia)  - Torcida Flamengo
 
1º anel Noroeste
R$ 130 (int.) / R$ 65 (meia) – Torcida Visitante
 
Setor Sul
R$ 80 (int.) / R$ 40 (meia) – Torcida Flamengo
 
Setor Hospitalidade (Open bar + Dj) 
 
R$ 210 (int.): ingresso inteira R$ 180 + serviços R$ 30
 
R$ 120 (meia)- ingresso meia R$ 90 + serviços R$ 30

Com aval do governador, FNF volta atrás e garante Clássico-Rei no domingo (22)

Compartilhe esse conteúdo

Depois de atender ao pedido da Polícia Militar para não acontecer o Clássico-Rei entre ABC e América no próximo domingo (22), por conta do clima de insegurança na cidade e possível falta de efetivo, o presidente da Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF) José Vanildo voltou atrás e garantiu, no final da tarde desta sexta-feira (20), que o duelo acontecerá - com o aval do governador do Estado Robinson Faria. 
 
"Ato revisto. Teremos jogo. Parabéns, decisiva decisão do governador Robinson Faria", disse o dirigente em seu Twitter. E completou:  "Acertada a iniciativa e coragem do governador. O jogo vai acontecer. Vence a cidadania".
 
No início da tarde desta sexta-feira (20), a Polícia Militar pediu o adiamento do duelo por questões de segurança. O pedido tem uma razão clara: o momento de tensão que passa a cidade com os ataques e o destacamento da Polícia Militar para conter novos crimes, além da presença constante na tentativa de encerrar a rebelião na Penitenciária de Alcaçuz, que acontece desde 14 de janeiro.
 
"Nós pedimos o adiamento do clássico porque não podemos garantir a segurança do evento. E o Estatuto do Torcedor é bem claro quanto à presença da Polícia Militar nas partidas de futebol", explicou o major Eduardo Franco, assessor da PM. "Nós entendemos que seja interessante para a segurança pública o adiamento deste duelo", completou.
 
A FNF chegou a anunciar o cancelamento do duelo atendendo a recomendação da PM, mas, com o aval do governador Robinson Faria, anunciou que a partida acontecerá. 

FNF confirma adiamento do clássico entre América e ABC deste domingo

Compartilhe esse conteúdo

O presidente da Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF), José Vanildo, confirmou nesta sexta-feira (20) o adiamento do duelo entre ABC e América que aconteceria neste domingo (22) na Arena das Dunas, às 16h. A FNF atendeu a um pedido feito pela Polícia Militar em ofício enviado nesta tarde e destacada pela reportagem do NOVO. A partida ainda não tem nova data para acontecer. 

A informação foi confirmada por José Vanildo em sua conta no Twitter. "América x ABC: está suspensa a sua realização. Recomendação da Polícia Militar", escreveu. 

O pedido tem uma razão clara: o momento de tensão que passa a cidade com os ataques e o destacamento da Polícia Militar para conter novos crimes, além da presença constante na tentativa de encerrar a rebelião na Penitenciária de Alcaçuz.

"Nós pedimos o adiamento do clássico porque não podemos garantir a segurança do evento. E o Estatuto do Torcedor é bem claro quanto à presença da Polícia Militar nas partidas de futebol", explicou o major Eduardo Franco, assessor da PM. "Nós entendemos que seja interessante para a segurança pública o adiamento deste duelo", completou.

PM pede adiamento do Clássico-Rei deste domingo

Compartilhe esse conteúdo

A Polícia Militar pediu nesta sexta-feira (20) o adiamento do Clássico-Rei entre América e ABC que aconteceria no domingo (22) na Arena das Dunas. O ofício com a solicitação do adiamento do duelo foi enviado nesta tarde pela PM para a Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF). A informação foi confirmada à reportagem do NOVO pela PM, mas negada, até o momento, pela FNF.

O pedido tem uma razão clara: o momento de tensão que passa a cidade com os ataques e o destacamento da Polícia Militar para conter novos crimes, além da presença constante na tentativa de encerrar a rebelião na Penitenciária de Alcaçuz.

"Nós pedimos o adiamento do clássico porque não podemos garantir a segurança do evento. E o Estatuto do Torcedor é bem claro quanto à presença da Polícia Militar nas partidas de futebol", explicou o major Eduardo Franco, assessor da PM. "Nós entendemos que seja interessante para a segurança pública o adiamento deste duelo", completou.

Apesar disso, o presidente da FNF José Vanildo disse não ter recebido qualquer notificação quanto a isso. "Não existe nada disso. Eu conversei na quarta-feira com o comandante da Polícia Militar e ele me garantiu o duelo. Essa possibilidade sequer foi ventilada", disse.

A partida entre América e ABC, válida pela terceira rodada do Campeonato Potiguar, já havia sido adiada do sábado (21) para o domingo (22), às 16h. Na quarta-feira, o presidente da FNF José Vanildo ventilou, através do twitter, a possibilidade do confronto ser adiado. mas confirmou o duelo após uma conversa com o comando da PM.

 

Ex-técnico Carlos Alberto Silva morre aos 77 anos em Belo Horizonte

Compartilhe esse conteúdo

O Brasil perdeu nesta sexta-feira um dos seus mais longevos e experientes treinadores. Afastado do futebol, Carlos Alberto Silva faleceu em Belo Horizonte nas primeiras horas do dia. O ex-técnico tinha 77 anos e a causa do seu falecimento ainda não foi revelada. 
 
A informação da morte de Carlos Aberto Silva foi confirmada pela agência de viagens Ibiza Turismo, empresa de propriedade do ex-treinador a qual ele vinha dedicando seu tempo após deixar de atuar diretamente no futebol. Ele, inclusive, chegou a ir à empresa nos últimos dias, segundo informações de uma funcionária
 
O trabalho mais emblemático da carreira de Carlos Alberto Silva foi à frente do Guarani, clube que o treinador conduziu ao título do Campeonato Brasileiro de 1978, naquela que é até hoje a maior conquista da história de um clube do interior paulista, com um elenco que contava com craques como Zenon e Careca. "Obrigado por tudo, mestre!", publicou o Guarani em seu perfil na rede social Twitter. 
 
Carlos Alberto Silva também teve passagem pela seleção brasileira. Ele comandou o time que conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1987 e também a prata na Olimpíada de 1988, quando a seleção caiu para a União Soviética na final - aquele time possuía jogadores que posteriormente se consagrariam no futebol, como Romário e Taffarel. 
 
O treinador mineiro dirigiu alguns dos principais clubes do futebol brasileiro. Carlos Alberto Silva passou por São Paulo, onde foi campeão paulista duas vezes, Atlético Mineiro, onde venceu o Campeonato Mineiro em uma oportunidade, Cruzeiro, Corinthians, Palmeiras e Santos, entre outros. 
 
O último trabalho de Carlos Alberto Silva como treinador foi em 2004, pelo América Mineiro. No ano seguinte, ele atuou no Atlético-MG como diretor de futebol. Já em 2014, fez parte, como um dos vice-presidentes, da chapa que venceu a eleição presidencial do mineiro Villa Nova. 
 
Além disso, Carlos Alberto Silva também trabalhou em clubes de fora do País. E seu maior êxito foi no Porto, onde venceu duas vezes o Campeonato Português, em 1992 e 1993 - ele também foi campeão nacional no Japão, pelo Yomiuri Kawasaki, em 1991.