Vacina contra HPV está disponível na rede de saúde

Compartilhe esse conteúdo

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Natal orienta pais e responsáveis de meninas com idades entre nove e 11 anos a procurar a unidade de saúde mais próxima de suas residências para que elas sejam imunizadas contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), responsável por cerca de 70% dos casos de câncer de colo de útero e a terceira maior causa de morte de mulheres no Brasil.

 

De acordo com informações do Setor de Vigilância Epidemiológica e do Núcleo de Agravos Imunopreveníveis da SMS, todas as unidades de saúde da rede municipal estão disponibilizando a vacina, que pode ser aplicada também em meninas entre 11 e 13 anos que ainda não receberam nenhuma dose contra o HPV.

 

A SMS alerta que o esquema de vacinação é composto por três doses, sendo a segunda delas aplicada com intervalo de seis meses após a primeira. Já a terceira dose, que serve como um reforço para manter a imunização duradoura, deve ser aplicada depois de cinco anos. E que é indispensável que os pais ou responsáveis levem o cartão de vacinação da menina para a unidade de saúde, para que ele seja atualizado.

 

A vacina aplicada no Brasil é a mesma usada em outros 51 países, protege contra quatro subtipos do vírus HPV e foi incluída pelo Ministério da Saúde no cronograma oficial de vacinação desde 2011. No ano passado, quando ela passou a integrar o calendário do Sistema Único de Saúde (SUS), 100% das meninas entre 11 e 13 anos de Natal receberam a primeira dose e mais da metade, a segunda dose.

 

“A vacina é altamente eficaz, segura e vai causar um impacto positivo muito grande no futuro das meninas imunizadas, já que ela protege quase totalmente contra o HPV e o câncer de útero, que é a principal causa de morte por câncer entre as mulheres no país. Não há fundamentos para medo. Mas é necessário que se procure a unidade de saúde mais próxima de sua casa para imunizá-las, o que deve ser feito em três doses para que a imunização seja garantida”, orientou a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde da SMS, Juliana Araújo.