Processos contra fundador da Facção Família do Norte "somem" no RN

Compartilhe esse conteúdo

Dois processos físicos contra Gelson Lima Carnaúba que estavam na comarca de Nísia Floresta sumiram. Gelson é um dos fundadores da facção Família do Norte, que realizou massacres dentro de unidades prisionais na região Norte neste mês de janeiro.
 
A assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça informou que ambos serão restaurados integralmente, a partir de arquivos digitais, no entanto o Poder Judiciário ainda conseguiu esclarecer o que aconteceu com o material que não foi encontrado na Vara.
 
Em uma movimentação processual datada de outubro de 2016, a juíza Maria Nivalda Neco Torquato Lopes informou sobre o desaparecimento dos documentos do processo. Procurada pelo NOVO, a assessoria de imprensa do TJ informou que “quanto ao que aconteceu, isso não ficou esclarecido ainda. O processo pode ter sido arquivado indevidamente ou pode ter sido retirado por um advogado”.
 
Na mesma movimentação processual, uma expedição de ofício, a magistrada informa ainda que Gelson Carnaúba, também conhecido por Mano G, é também uma das lideranças da organização criminosa Sindicato do RN.
 
Trata-se da facção que em julho e agosto do ano passado promoveu ataques em diversas cidades do estado potiguar. A vinculação foi alvo de reportagem do NOVO na semana passada. Gelson Carnaúba está detido atualmente na Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná.
 
De acordo com as informações repassadas pela assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça, os processos que sumiram são um de Manaus, o de homicídio simples, e o outro da comarca de São Gonçalo do Amarante, de falsidade ideológica.
 
Este último é resultado da prisão de Mano G no Aeroporto Internacional Aluízio Alves, em janeiro de 2015. Na ocasião, o fundador da FDN passou quase 30 dias encarcerado na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, até ser transferido para a Penitenciária Federal de Mossoró.
 
“O de São Gonçalo foi restaurado a partir do nosso sistema Hermes. Havia sido digitalizado quando foi remetido para Nísia Floresta. Já o de Manaus, era um arquivo digital com mais de mil folhas. Nem tudo havia sido impresso. 
 
A juíza fez a solicitação para que seja novamente enviado, dessa vez integralmente. Então os dois processos serão restaurados plenamente”, explicou a assessoria.
 
Ainda segundo a assessoria, no sistema consta que o processo está concluso para o juiz, mas não foi encontrado lá. A juíza lembrou que hoje Gelson não tem direito a nenhuma progressão ou comutação da pena.
 
Situação preocupa no AM e Roraima
 
Nesta semana, diferentes episódios em unidades prisionais no Amazonas e em Roraima deixaram cerca de 100 mortos. Uma rebelião envolvendo presos de facções rivais, iniciada no último dia 1º, resultou na morte de pelo menos 56 detentos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus. 
 
De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, a chacina no Compaj ocorreu após um confronto entre facções rivais que disputam o controle de atividades ilícitas na região amazônica: a Família do Norte (FDN) e o Primeiro Comando da Capital (PCC). Aliada ao Comando Vermelho (CV), do Rio de Janeiro, a FDN domina o tráfico de drogas e o interior das unidades prisionais do Amazonas. Domingo (8), mais quatro presos foram mortos pelos próprios internos em tumultuo na Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, também em Manaus.
 
Já em Roraima, 33 detentos morreram na Penintenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), zona rural de Boa Vista, também em um confronto entre internos. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, no caso de Boa Vista as mortes foram resultado de um acerto de contas entre integrantes da mesma facção, o PCC.

 

Ônibus voltam a circular às 16h com linhas emergenciais do Corujão

Compartilhe esse conteúdo

O prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, anunciou o retomada do serviço do transporte público em toda a capital ainda nesta sexta-feira, 20. Através das redes sociais, ele afirmou que após reunião do Seturn, Sintro, STTU, Secretaria de Segurança, Polícia Militar e Guarda Municipal ficou definido que uma frota emergencial de 30 ônibus vai circular das 16h até às 20h de hoje.

Serão cinco linhas operando: quatro ‘Corujão’ e a linha 33. "Estamos com o objetivo de colocar 30 ônibus para circular, dependendo do nível de segurança que possa ser oferecido, isso pode ser ampliado. A tentativa é que na segunda-feira volte tudo ao normal”, explicou o Walter Pedro, secretário adjunto da secretaria de mobilidade de Natal.

Para o sábado, a expectativa é que os ônibus saiam das garagens às 6h, com uma pequena frota. No domingo, estuda-se a possibilidade de operação com 50% da frota, como ocorre normalmente.

As linhas do Corujão são:
Linha A - Ribeira/Redinha/Brasil Novo/Parque das Dunas/Vila Verde/Pajuçara, via Av. Pompéia;
Linha B - Ribeira/Parque dos Coqueiros/Soledade/Nova Natal/Gramoré, via Av. Itapetinga;
Linha C - Ribeira/Via Costeira/Ponta Negra;
Linha E - Felipe Camarão/Cidade Nova/Cidade da Esperança/Ponta Negra, via Av. Bernardo Vieira;
Linha 33 - Planalto/Cidade Satélite/Ribeira/Mãe Luíza (opera 24h)
 

Forças Armadas devem atuar nas ruas de Natal ainda nesta sexta-feira (20)

Compartilhe esse conteúdo

Os militares do Exército, Marinha e Aeronáutica devem ocupar a partir desta sexta-feira, 20, as ruas de Natal. A chegada contingente de 1,2 mil homens - oriundos da Paraíba, Ceará e do Rio Grande do Norte - foi autorizada ontem, 19, pelo presidente Michel Temer. As Forças Armadas farão o patrulhamento das principais vias, pontos turísticos da região metropolitana da capital.

Esta é a segunda ação dos militares no patrulhamento ostensivo de Natal nos últimos seis meses. Por 21 dias, ainda em agosto de 2016, isso após uma série de ataques a ônibus e prédios públicos, também foi necessário o emprego do Exército, Marinha e Aeronáutica. 

A Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, na Grande Natal, chegou, nesta sexta-feira, 20, ao seu sétimo dia de rebelião. Pela manhã, o clima era de relativa tranquilidade, apesar da circulação livre dos detentos pelos pavilhões, alguns deles ocupando o teto das estruturas ainda com as bandeiras hasteadas.

Mulheres que estavam em avião que caiu com ministro são identificadas

Compartilhe esse conteúdo

O Grupo Emiliano informou nesta sexta-feira, 20, que as duas mulheres que estavam no avião que caiu com o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), são Maira Ilda, de 23 anos, e a mãe Maria Ilda, de 55 anos. Segundo o Grupo, Maira era massoterapeuta e prestava serviço ao empresário Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, dono do Hotel Emiliarno, que passava por tratamento no ciático.
 
O acidente matou Teori Zavascki, Maira Ilda, a mãe, o empresário Carlos Alberto Filgueiras e o piloto Osmar Rodrigues.
 
O Grupo Emiliano afirmou que a mãe Maria Ilda era professora da rede infantil de ensino. Ela estava em São Paulo visitando a filha e havia saído de Juína, no Mato Grosso. "Carlos Alberto as convidou para um fim de semana em Paraty. O Grupo Emiliano registra seus sentimentos e condolências para a família e amigos E informa que está prestando apoio e informações aos familiares", diz a nota do Grupo.
 
A aeronave que levava Teori decolou do Campo de Marte, aeroporto localizado na zona norte de São Paulo, às 13h, e caiu por volta das 13h45, segundo a Marinha.
 
Informações disponíveis no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) revelam que o Beechcraft C90GT tem capacidade para sete passageiros, além do piloto. É um avião bimotor turboélice fabricado pela Hawker Beechcraft. A aeronave PR-SOM está registrada em nome da Emiliano Empreendimentos e Participações Hoteleiras Limitada.
 
Relator da Lava Jato na Corte, o ministro era o responsável por conduzir os desdobramentos da maior investigação de combate à corrupção no País que envolvem autoridades com foro privilegiado
 
Teori estava empenhado, nos últimos meses, na análise da delação premiada dos 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht.
 
 
 

Hospital Walfredo Gurgel suspende visitas neste fim de semana

Compartilhe esse conteúdo

O Hospital Walfredo Gurgel suspenderá visitas a pacientes internados na enfermaria durante este fim de semana. A razão, segundo assessoria do hospital, é a insegurança causada pela onda de ataques em Natal. Desde domingo, a unidade de saúde recebe detentos feridos nos confrontos entre facções rivais na Penitenciária Estadual de Alcaçuz. 

Apenas as visitas aos pacientes na UTI serão liberadas. 

Macau e Guamaré devem se abster de realizar festa de Carnaval

Compartilhe esse conteúdo

A 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Macau emitiu recomendação para que o prefeito do município, Túlio Bezerra Lemos, se abstenha de efetuar despesas com a contratação de eventos artísticos e culturais para a Festa de Carnaval de 2017. Recomendação com igual teor também foi dirigida ao prefeito de Guamaré, Hélio Willamy Miranda da Fonseca.
 
O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) considera incompatível a aplicação de recursos públicos numa festa quando os municípios atravessam um estado de emergência, o que se configura como violação aos princípios constitucionais da moralidade administrativa e da legalidade, previstos no artigo 37 da Constituição Federal. Tanto Macau quanto Guamaré integram a lista de municípios abarcados pelo Decreto de Situação de Emergência nº 26.365/2016 do Governo do Estado e válido até março deste ano.
 
Além disso, em Macau ainda há o agravante de o prefeito ainda não ter honrado o pagamento do funcionalismo público, ativo e inativo, referentes a dezembro de 2016 e a janeiro de 2017.
Assim, em ambas as cidades, os gestores deverão não apenas promover o Carnaval assim como evitar a realização de eventos de natureza semelhante, que incluam a contratação de artistas, de serviços de "buffets" e a instalação de banheiros e montagens de estruturas (como sonoplastia, palcos, tendas, geradores) e outros gastos relacionados, enquanto perdurar o estado de emergência.
 
Para o MPRN a situação exige reflexão e adoção de providências por parte dos prefeitos, visando a evitar gastos e priorizar o uso de dinheiro público em obras e serviços permanentes, urgentes ou prioritários para a população.