Cães de guarda: conheça melhor os Rottweilers

Raça é reconhecida mundialmente pela força e inteligência

 

Dono da nona posição no ranking de inteligência canina, segundo o livro A Inteligência dos Cães, de Stanley Coren, o Rottweiler é também uma das raças de cães preferidas dos brasileiros.

 

Características como força, agilidade e instinto de liderança fazem com que esses animais sejam excelentes cães de guarda. Um erro comum, no entanto, é a associação do Rottweiler como uma raça agressiva e violenta.

 

Na verdade, isso vai depender muito mais da forma como o animal vai ser criado do que do seu temperamento propriamente. Para eliminar esse tipo de preconceito, te convidamos a conhecer um pouco mais sobre os Rottweilers.

Origem dos Rottweilers

Como acontece com diversas outras raças, existem histórias controversas a respeito do local de origem do Rottweiler. Alguns especialistas apontam que esses cães sejam descendentes da raça Boiadeiro de Berna (Bernese), enquanto outros acreditam que se trata do cruzamento entre Pastor Alemão e Mastim Napolitano.

 

Acredita-se, porém, que o Rottweiler seja uma das raças mais antigas do mundo, já que seus antepassados teriam percorrido o sul da Alemanha com o exército do Império Romano. O cruzamento desses animais com cães locais teria dado origem ao que hoje conhecemos como Rottweiler.

 

Seu nome é derivado de Rottweil, tida como local de origem dessa raça. Conta-se ainda que os açougueiros da cidade alemã de Rottweil usavam esses cães para puxar carros de carne, facilitando seu transporte. Daí é que surge sua primeira nomenclatura como o “Cão de açougueiro de Rottweil” (Rottweiler metzgerhund).

 

Com o passar do tempo, o Rottweiler passou a ser usado também como cão de pastoreio e de guarda. Inclusive, ele é considerado como um cão de guerra, que auxiliou o exército alemão tanto na Primeira quanto na Segunda Guerra Mundial.

 

Características do Rottweiler

O Rottweiler é uma raça com estrutura corporal robusta e forte. Sua pelagem é quase totalmente preta, com partes específicas em marrom puxado para o dourado ou castanho, como focinho, patas, parte das pernas e alguns pontos do corpo. Ele possui ainda uma forte arcada dentária, com 42 dentes. 

 

Em média, um Rottweiler tem 68 cm de altura e peso de 50 kg, sendo considerado um animal de porte médio a grande. A expectativa média de vida dessa raça gira em torno dos 10 anos.

 

Esses cães são bastante territorialistas e tendem a proteger o ambiente e as pessoas com quem convivem. Quando se trata de temperamento, porém, não há um consenso, já que eles tanto podem ser extremamente dóceis e brincalhões, quanto intimidadores e sérios.

 

O comportamento vai ser definido, em parte, graças à forma como o animal vai ser criado. Se ele vive em um lar amoroso e passou por um processo de adestramento, provavelmente será um animal de fácil convivência. Caso contrário, pode se tornar arisco e até violento.

 

De um modo geral, o recomendado é que o Rottweiler seja apresentado, ainda filhote, a diferentes tipos de estímulos — como contato com pessoas de diferentes etnias, idades, sexo, além de outros animais, como cães e até mesmo gatos. 

 

O adestramento também é essencial, pois irá ensinar o cachorro a se comportar e a entender o que pode ou não fazer e qual o seu lugar, de modo a evitar problemas com agressividade, por exemplo.

Cuidados que você precisa ter com seu Rottweiler

O pelo do Rottweiler é mais curto, o que torna a sua manutenção mais fácil. A escovação diária, por exemplo, ajuda a remover o excesso de pelos mortos, deixando a pelagem brilhante e bonita por muito mais tempo. Os banhos não precisam ser tão frequentes, mas, se preferir, opte pelos feitos a seco.

 

Por conta do seu tamanho, é indispensável manter uma rotina com atividade física. Podem ser caminhadas, corridas ou mesmo brincadeiras de pegar objetos. O importante é que ele tenha esse momento para extravasar o excesso de energia.

 

Os exercícios também são importantes para manter o peso do Rottweiler, já que esse animal tende a ser bastante guloso, evitando problemas como a obesidade canina. 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.